Autoconhecimento, Autodesenvolvimento E Autorrealização.
Quando a pessoa se rotula, se adjetiva, acaba por excluir uma série de possibilidades que também pode defini-la.

Metodologia

Expositiva, vivencial, dinâmica, interativa e estimulante de tal forma que os conhecimentos são aprendidos e não ensinados, despertando o “querer fazer”.

Em todo o processo será usado o método andragógico, educação para adultos, no qual o adulto aprende a partir da própria bagagem de experiências, percepção e forma de expressão criativa para sair da dura realidade e construir uma visão de grandeza.

O método socrático, reavaliando através de perguntas inteligentes os pós e contra das ações a serem implementadas, hoje popularmente denominada de Coaching, servirá para fazer uma ponte entre o estado atual e o estado desejado de forma estrutura nos níveis neurológicos, ou seja: ambiente, comportamento, capacidade, crenças e valores, culminando na identidade.

Ao fazer o levantamento das informações será utilizada a avaliação apreciativa na qual cada pessoa irá contribuir com o seu melhor.

Em uma análise mais detalhada a metodologia obedece um processo de quatro etapas sequenciais e interdependentes:

O exercício do atributo de pensar sobre um tema e gerar reflexöes, leva a pessoa a se apropriar das ideias e querer transformá-las em fatos. A motivação consistente é intrínseca porque se baseia nos próprios valores.

O Coaching Integral possui suas raízes no método socrático cujas ferramentas auxiliam no processo de autodesenvolvimento de competências comportamentais. O método é constituído de um conjunto de perguntas estruturadas com base na neurologia humana que por sua vez é organizada em seis níveis neurológicos com funções específicas utilizadas nos processos de mudança e aprendizagem, sistematizadas por Gregory Bateson, conforme os seguintes detalhamentos:

O 1o. nível é o do Ambiente o qual localizamos com a pergunta: Onde estamos? No ambiente acontecem todas as reações das ações humanas. Observando o ambiente é possível adquirir a consciência dos efeitos das causas. Toda causa tem um efeito que só poderá ser modificado, atuando na causa. A maioria dos efeitos no ambiente tem como causa, os comportamentos humanos.

O 2o. nível é do Comportamento cuja pergunta é: O que fazer? Quais ações desenvolver para gerar boas reações no ambiente? Muitos compreendem intelectualmente que os comportamentos são inadequados e não conseguem mudar porque lhes falta capacidade para desenvolver os respectivos comportamentos.

O 3o. nível é responsável pelas Capacidades a serem despertadas com a pergunta: Como fazer? O “como” traça a direção. A capacidade de dar direção para o crescimento é mais importante do que o crescimento, pois a natureza cresce de maneira correta para cima e em busca da luz solar, gerando uma harmonia energética e estética.

As verdades segundo leis da física podem ser transportadas para campo dos comportamentos humanos. É preciso acreditar que crescer de forma correta é direcionar o nosso olhar para a luz da consciência gerando uma harmonia pessoal atraente e carismática.

O 4o. nível é constituído pelas Crenças e Valores que movem o ser humano a ser aquilo que acredita e valoriza. O anseio é encontrar no âmago do ser, os seus “Porquês”, a razão mais profunda, aquilo que justifica a caminhada humana. Quando as crenças limitantes dominam a mente, a pessoa pode supervalorizar as dificuldades, mas se as crenças fortalecedoras comandam, a pessoa é capaz de romper barreiras e transformar problemas em desafios, tornando possível o que antes lhe parecia impossível.

O 5o. nível é o conjunto das crenças que formam a Identidade. Ao responder a pergunta Quem eu sou? encontra-se a missão, o farol orientador, o sentido da existência humana. Somos quem acreditamos ser e quanto mais se tem conhecimento do infinito potencial das nossas raízes, mais somos capazes de desenvolver caules, folhas, flores e frutos na árvore do ser.

O 6a. nível está na dimensão metafísica e a pergunta é Quem mais está comigo? A consciência da interdependência entre os seres, nas várias dimensões, torna o indíviduo apto a ser parte integrante da grande teia humana que conecta todas as diferenças e transcende o individualismo para se unir na totalidade, atingindo a transmissão, transcendendo a própria missão pessoal.

Fundamentação Teórica : Neurolinguística, Coaching e Investigação Apreciativa O Programa é fundamentado nos conhecimentos avançados e aprimorados da Educação, Comunicação e Mudanças da Programação Neurolinguística, e suas recentes descobertas de aprendizagem acelerada (Robert Dilts) e funcionamento do cérebro (Richard Bandler e Jonh Grinder).

O cérebro é uma máquina à deriva funcionando abaixo de sua capacidade por falta de conhecimento do seu usuário. Hoje, os mais recentes estudos da Física Quântica comprovam que o pensamento humano é co-criador do universo. Para que a realidade saia do mundo das idéias no campo subjetivo, e se transforme em fatos campo objetivo , é preciso utilizar uma mente focada em três aspectos: querer, acreditar que é merecedor, e achar possível e importante. Apesar de vivermos em um infinito universo de abundância, reduzimos os impactos por falta de um sistema de crenças fortalecedor.

A Programação Neurolinguística - PNL é considerada uma arte, filosofia e ciência que estuda a estrutura da subjetividade humana a partir das pesquisas realizadas por Richard Bandler da Gestalt , Fenomenologia e Análise de Sistemas, associados os estudos de John Grinder, lingüista transformacional. A PNL concentra-se em oferecer ferramentas de autoconhecimento do potencial desconhecido a ser resgatado.

O desenvolvimento depende do autoconhecimento e a união da PNL & Coaching proporciona um crescimento sustentável no qual a PNL atua nas raízes profundas da formação do Ser, e o Coaching acelera o desenvolvimento do caule, galhos, folhas e flores para dar os melhores frutos a serviço da realização humana.

Outras abordagens também são integradas durante o repasse do conteúdo do trabalho, tais como: Psicologia Integral que tem como base o trabalho de vários autores, pensadores e trainers. Entre eles Ken Wilber e Robert Kegab ( Psicologia Integral e Evolução da consciência ), George Vaillant ( Mecanismos Adaptativos), David Kolb ( Aprendizagem Experiencial) e Carl Rogers ( Terapia Centrada no cliente), e ainda a Teia da Vida de Fritjof Capra.

Os estudos mais profundos dos Níveis Neurológicos de Gregory Bateson, na visão de Albert Einstein, concluíram que o nível de cima organiza o nível de baixo. Desta forma para que haja uma mudança efetiva, consistente e duradoura é preciso iniciar nos níveis superiores mais sutis. Segundo Einstein o crescimento acontece do mais sutil para o menos sutil. Toda realização no mundo objetivo depende de um trabalho na dimensão subjetiva. O resultado no mundo aparente depende do trabalho interno, debaixo da terra na dimensão oculta das raízes mais profundas.